sábado, 24 de janeiro de 2009

Eu sou tua...


Sou poesia, daquelas feitas por Deus. Nasci de rabisco, da costela, das lágrimas e de sorrisos, sim de vontade e amor também. Permaneci aqui por chantagem, por pecado e por abandono, talvez.
Não sou partícula de uma explosão, sou a própria explosão, as galáxias moram em mim. A noite e o dia revesam a guarda do meu sono.
Você já se olhou no espelho hoje?
Eu estou ali, nos teus traços, nos teus laços, poderia estar no teu ventre ou no teu braço.

Como pedaço teu que te procura.

5 comentários:

Alexandre Spinelli disse...

Giu,
Já comentei este poema... não sei a explicação, mas este me tocou bastante... fez eco lá dentro...
Amei cada palavra, cada linha, cada ponto... como pedaço meu que me procura...
Achei lindo...
Beijo, com toda admiração e respeito que mereces...

Malu disse...

Ui. Que fera! Deliciante!!!

Lucas de Oliveira disse...

É impressionante o fato de eu ja ter lido tantos poemas teus e ter gostado da maioria e esse em especial mexer tanto comigo...

Cada leitura parece ser a primeira... Tens o dom de me encantar, garota...! E diante desse encanto eu só consigo te olhar de baixo pra cima e, com uma cara de moleque inocente, perplexo e curioso dizer: "Te adoro, tia Giu!"

;D

Rogério disse...

Gostei pacas, sem mesóclise.

Liza Leal disse...

Gostei, viu!!! Senti uma riqueza rítmica q simplesmente encanta...
=) Gde amiga Giu!